(11) 94570-7451 (11) 97367-7711 (11) 98592-6308

ARTIGOS E NOTÍCIAS

13/04/2018

Técnicas de Aumento Peniano

Técnicas de Aumento Peniano

Aumento Peniano, Faloplastia e sua repercussão social

 

Nossa pesquisa realizada entre junho de 2017 e janeiro de 2018,  através deste site, www.aumentopenianodantas.com.br, com 463 homens que procuraram a página espontaneamente – em idades que variam da adolescência à terceira idade e diversos níveis educacionais – mostra que 97,6% deles gostariam de aumentar o pênis, mesmo que o tamanho esteja dentro da normalidade ou até maior que o natural.

 

Homens gostariam de aumentar o pênis

 

Pelos dados colhidos na "Pesquisa de Antropometria Peniana e Sua Repercussão Social", percebemos que a maioria dos homens preocupados com o tamanho do pênis é branco (68,9%), heteroafetivo (84,9%), tem entre 18 e 44 anos (46 % com idades entre 18-34 anos e 33,7%, com idades entre 34-44 anos), um bom nível cultural (com 26,6% com ensino médio completo, 16,20% com ensino superior incompleto, 22,20% com superior completo, 9,9% com pós-graduação e 1,5% com doutorado), é casado (52,5%) e católico (38,2%).

 

 

Na pesquisa, a maioria dos entrevistados (51,8%) apontou o tamanho do seu pênis entre 13 e 16 centímetros, dentro da faixa natural de tamanho dos brasileiros. Outros 39,7% disseram que seus pênis estão abaixo de 13 cm, que 21,6% está na faixa dos 11 a 13 cm; 11,2% na faixa de 9 a 11 cm; e 6,9 %, na faixa abaixo do 9 cm. Do total, 5,60% disseram ter um pênis de 17 cm e outros 2,80%, maior que 17 cm. Do total dos pesquisados, 91,5% já mediram seu pênis, 66,7% acreditam que ele seja pequeno, 12,7% acreditam que é muito pequeno e 19,2% acreditam que  tem tamanho normal. Apenas 1,3% considerou seu pênis grande. Nenhum respondeu que o pênis é muito grande.

 

 

As técnicas de aumento peniano estão neste link:http://www.aumentopenianodantas.com.br/procedimento/12/cirurgia-aumento-de-penis-faloplastia.html

 

 

Nas considerações emocionais sobre o tamanho do pênis, cerca de 70% dos homens que responderam a pesquisa (68,3%) relataram já ter ouvido que seu membro é pequeno e, destes, 43,7% ouviram isso da(o) esposa(a)/namorada(o)/amante, enquanto 17,9% ouviram em um relação casual e 12,3%, de um amigo. Apenas 3,5% reconhece que é "coisa da sua cabeça").  Das 463 respostas obtidas, 69,5% registraram que o tamanho do pênis o agride o e 12,3% está satisfeito com o tamanho. Do total de respostas, 18,1% apontam que o tamanho não diz nada, nem para o bem nem para o mal.

 

 

Sentimento em relação ao pênis

 

Em relação ao tamanho do pênis, a maioria se sente angustiado (65, 70%), muito angustiado (14%) e já até pensaram em suicídio por isso (3,2%). Apenas 16,80% se sente adequado sócio, físico e emocionalmente com o tamanho de seu pênis.

 

Sentimento em relação ao tamanho do pênis

 

Do total, 63,3% não têm dificuldades erétil, 25,1% têm às vezes e 11,7% têm com frequência. No quesito ejaculação, 49,2% não tem ejaculação precoce, 28,9% às vezes e 21,8%, apresentam quadro de precocidade. Cerca de 50% dos pesquisados (48,4%) disseram ter "percebido" o pênis pequeno na adolescência, enquanto outros  31,7% só na vida adulta.

 

 

A maioria dos homens que responderam a pesquisa está na faixa etária que é a que melhor obtêm resultados na cirurgia de aumento peniano, dos 18 aos 44 anos. Nas faixas da infância e adolescência, no entanto, entram as considerações mais graves que são os pênis com anomalias genéticas, principalmente micropênis, má formação, agenesia (falta) de pênis ou bolsa escrotal e imperfeições estéticas, além do hipogonadismo (quando os testículos não produzem hormônios sexuais ou a produção é insuficiente). Essas questões, no entanto, são tratadas logo que detectadas, na maior parte dos casos na primeira infância, por pediatras, endócrinos e cirurgiões infantis. As nossas estatísticas tabulam, principalmente, os adultos jovens, que precisam do respaldo médico para sua autoestima e que nos procuram espontaneamente.

 

 

A taxa de escolaridade da maior parte dos pesquisados aponta que o nível cultural ajuda na procura da informação sobre aumento de pênis. O que torna o tratamento, de certa forma, elitista. O paciente menos instruído e de menor poder aquisitivo precisaria de políticas públicas para buscar soluções. Como as necessidades primárias nos indivíduos de baixa renda e baixa escolaridade são outras, o poder público ignora o sofrimento mental pelo que passa um homem com pênis pequeno, independente de sua classe social.

 

 

A não acessibilidade a procedimentos e custo ainda elevado e restrito à rede privada de saúde contrasta com a pesquisa que vem apontando para o alto grau de insatisfação dos homens com  relação ao tamanho de seu pênis. Insatisfação esta que, longe de ser restrita às classes altas, está difundida por todas as camadas sociais. Esse incômodo quase que generalizado entre os homens pode ser entendido quando levamos em conta que o culto ao corpo atinge ricos e pobres, sendo uma marca da contemporaneidade.

 

 

 

 

 

 

Veja mais informações sobre as técnicas de aumento peniano:  http://www.aumentopenianodantas.com.br/procedimento/12/cirurgia-aumento-de-penis-faloplastia.html